Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Du Lopes

Psicólogo e Pedagogo.

Co-fundador e Membro da Diretoria da Rádio Magnificat. 

Outros Conteúdos

Brasil: País das dificuldades, mas das possibilidades

Brasil: País das dificuldades, mas das possibilidades

Ela nasceu prematura de sete meses, ficou 28 dias internada para ganhar peso. Sua família era desprovida de recursos econômicos e morava e mora na periferia de Ribeirão Preto. Quando completou nove meses de vida foi abandonada pelo pai, mas a mãe levantou, sacudiu a poeira, deu a volta por cima e trabalhando como auxiliar de escritório e depois como operadora de caixa, conseguiu sustentar e educar a filha. Batizada com o nome de Bruna, sempre estudou em escola pública e no ano passado, com 17 anos, teve a seguinte rotina: de manhã cursou o 3º ano do ensino médio na Escola Estadual Alberto Santos Dumont, à tarde estudava em casa e à noite frequentou um cursinho popular. Estudava em média 10 horas por dia e como consequência se tornou manchete em todos os jornais do país: “negra, pobre, estudante da rede pública fica em 1º lugar em curso mais concorrido da FUVEST”. Manchete da Folha de São Paulo do dia 6 de fevereiro. Bruna competiu com 6.800 candidatos e foi aprovada em 1º lugar no curso de medicina da USP de Ribeirão Preto Não foi fácil, abriu mão de muitas coisas, priorizou sua carreira profissional, como ela mesmo disse, mas agora terá a possibilidade de conquistas maiores e penso que sua maior vitória foi ter fixado seu olhar na possibilidade e não na dificuldade. A vida não é completamente determinada pelo ambiente externo e nem pela maneira como somos afetados pelas pessoas. O passado não determina nosso presente e nosso futuro, só se permitirmos.  A vida de Bruna poderia ter sido diferente. Poderia ter engravidado aos 16 anos de um vendedor de maconha ou poderia assistir TV à tarde e ficar com os colegas à noite. O que determina a nossa vida são as nossas escolhas, onde investimos o nosso esforço. Que o exemplo da Bruna nos sirva de incentivo para vencermos os nossos limites e conquistarmos os nossos sonhos.
Ver o Conteúdo
A escuta e o olhar maternos

A escuta e o olhar maternos

Antigamente quando uma criança fazia “arte” os adultos diziam: você precisa virar gente!             É engraçado como a sabedoria popular às vezes é muito profunda, porque realmente nós precisamos aprender a ser gente.             Somos diferentes do mandruvá, por exemplo, que nasce sabendo tudo o que tem para fazer na sua curta vida. Fica no coqueiro se alimentando até ficar bem gordinho, depois desce do coqueiro e procura um lugar seguro para se transformar em borboleta.             Nós não somos assim, nascemos completamente dependentes, sem alguém para cuidar de nós morremos; sem ninguém para nos ensinar a ser gente, não viramos gente.             Quando um bebê chora não sabe o porquê, chora por sentir algum desconforto. É a mãe com seu ouvido atento que dá significado ao choro. A mãe sabe se o choro é por fome, ela dá de mamar; se o choro é por frio, ela coloca um cobertor; se o choro é por cólicas, ela aquece a sua barriguinha.             Imagina se a mãe não soubesse distinguir o choro. Sendo fome ela coloca um cobertor ou sendo cólicas ela troca a fralda.             A mãe é a primeira pessoa a dar significados à vida do bebê, é a primeira a começar a ensiná-lo a ser gente.             O olhar materno é outro instrumento essencial para ajudar o bebê a ser gente. Quando a criança está mamando e o seu olhar encontra o olhar da sua mãe, este momento é um dos mais importantes para o pleno desenvolvimento psíquico e emocional do bebê.             Nesse olhar a mãe transmite ao bebê as percepções que ele é bem vindo e é amado. Nesse olhar a mãe coloca coisas boas dentro da criança que lhe serão essenciais na superação dos conflitos cotidianos.             Infelizmente quando isso não acontece, nós não aprendemos a ser gente, continuamos animais como nascemos.             Por isso, que os filhos das ruas, crianças que nascem e crescem nas ruas sem ninguém para dizer que são amadas, sem ninguém para ensiná-las a ser gente, sem ninguém para dar significados à sua vida, matam por um tênis usado sem nenhum constrangimento.             Por isso, que os filhos abandonados dentro de casa, sem ninguém para ensiná-los a ser gente, sem ninguém que os olhe e os escute, não conseguem desenvolver e compreender suas emoções, por vezes acabam se autodestruindo.             Aprendemos a ser gente convivendo e sendo amado por gente, como nos pede o Padre Zezinho em um verso da sua música, um verso tão bonito e cheio de sabedoria: “Que a criança aprenda no colo o sentido da vida”.
Ver o Conteúdo
A terceirização da santidade

A terceirização da santidade

            Tenho um colega que sempre brinca dizendo que quando o seu cardiologista exigiu que fizesse exercícios físicos para melhorar a sua saúde, como não tinha tempo, contratou um estagiário para fazer os exercícios no seu lugar.             É claro que isto é uma solução ridícula, pois os exercícios feitos pelo estagiário produziriam efeitos no corpo do estagiário e não no corpo de quem o contratou.             Mas tenho visto alguns cristãos acreditando que ações feitas por outras pessoas vão produzir efeitos de santificação na sua vida e nesta área, às vezes, há muita confusão.             Jesus nasceu de Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto, sepultado e ressuscitou ao terceiro dia para que nós tivéssemos saúde, dinheiro, emprego, lazer, enfim vida fácil? Não, Ele mesmo disse é melhor perder um braço ou os olhos a ficar fora do Reino de Deus.             Ele também não disse que para ser filho de Deus e pertencer ao Seu Reino precisaríamos ser doentes, tristes e sem dinheiro.             Ele fez tudo isso para que pudéssemos ser batizados no Espírito Santo, tornando-nos filhos de Deus, pertencendo ao Reino de Deus num processo continuo de santificação.             Então, na ordem das prioridades, primeiro é a minha santificação que depende só de mim, do meu esforço, das minhas escolhas, das ações que faço e das que não faço, do perdão e do amor que dou ou que não dou.             O Padre, o Pastor, os cristãos, os Santos e todos os outros podem interceder por mim para que eu seja atendido nos meus pedidos, mas isto não significa a minha santificação, pode significar a santificação de quem intercede, semelhante ao caso do estagiário.             Quando peço a intercessão para uma cirurgia que vou realizar, desejando que a cirurgia corra bem e cumpra o seu propósito, a cirurgia pode ser um sucesso, mas isso não me faz mais santo. Pode ser que por causa do acontecido eu me torne mais amoroso e me santifique, mas o resultado da cirurgia não me santifica.             Quando peço a intercessão para conseguir um emprego, se o consigo não sou mais santo por isso. Não é estar empregado que me santifica e sim as minhas ações como funcionário.             Vejo na TV muitos testemunhos de pessoas que após participarem de campanhas de arrecadação de dinheiro para o templo ou para Deus, enriqueceram. Mas enriquecer não nos faz mais santo, mas o que fazemos com o dinheiro é que pode nos santificar ou nos expulsar do Reino de Deus.             Se prestar atenção nos Evangelhos verá que a única preocupação de Jesus era com a santidade das pessoas: libertação, perdão, acolhimento, amizade e amor.             Não teve Jesus reformando casas de pessoas, distribuindo dinheiro, dando barco, transformando madeira em ouro, pois não era essa a vontade de Deus. As curas das enfermidades sempre tinham o objetivo de levar a santidade.             A santidade é um trabalho pessoal, progressivo, de transformação interna e exige muito esforço. Ninguém pode fazer por mim, é a minha participação ativa com a graça do Espirito Santo de Deus que me santifica. Deus fez a sua parte revelando-Se e continua fazendo nos amando, todas as outras necessidades ou não, com o meu esforço, com a ajuda de outros, com sabedoria, com método, com expertise, etc. tenho grande chance de conseguir ou não.
Ver o Conteúdo
Equilibração

Equilibração

No início do século XX os brasileiros viviam em média 44 anos. Era o tempo suficiente para crescer, casar e criar os filhos até a vida adulta. Hoje a nossa média de vida está em 73 anos, segundo dados do IBGE. Estamos vivendo quase uma vida a mais que nossos bisavôs viveram. Esses anos a mais foram proporcionados pelo desenvolvimento da medicina, através de tecnologias modernas e eficientes, bem como de uma medicação mais eficaz e com menos efeitos colaterais. Esses anos a mais não foram proporcionados pela mudança de comportamento na busca de uma vida mais saudável, ao contrário, as mudanças comportamentais foram na contramão. Sabemos que a vida cotidiana nos exige demasiadamente, a sociedade atual está estabelecida na insensatez, viver de maneira saudável e prazerosa está quase impossível. A maioria dos brasileiros está acima do peso. Segundo o relatório Global Tobacco Epidemic 2013, 24% dos brasileiros são fumantes. Segundo o Ministério da Justiça, 12% dos brasileiros são dependentes do álcool. Segundo a Organização Mundial da Saúde em 2012 o Brasil ficou em quarto lugar em mortes no trânsito. Segundo o Banco Mundial a violência doméstica é a maior causa de ferimentos femininos em todo o mundo e no Brasil 80% dos abusos sexuais cometidos contra crianças e adolescentes acontecem na própria casa da vítima. Segundo pesquisa da Seguradora Líder, administradora do DPVAT, em 2010 no Brasil, 596 pessoas ficaram inválidas por dia devido a acidentes de trânsito cometidos por imprudência ou imperícia. Temos ainda os diversos tipos de câncer, as alergias, a bulimia, a infertilidade, as doenças cardiovasculares, a diabete, a hipertensão e outros. Não podemos esquecer os transtornos de comportamento, a depressão, as tensões cotidianas, a agressividade, as manias compulsivas, a ansiedade, a insônia, a impaciência, a baixa tolerância à frustração e outros. Tudo o que foi mencionado acima são malefícios que provocamos por comportamentos e atitudes inadequados, isto é, quando o nosso cérebro se volta contra nós porque não agimos conforme deveríamos. O corpo humano é a máquina mais avançada e perfeita que conhecemos, porém como explicou com extrema simplicidade Santo Agostinho: “somos pardais com coração de águia”. Isto nos leva a viver em constantes conflitos e insatisfações, por isso, conseguir o pleno bem estar social, apontado como definição de saúde pela Organização Mundial da Saúde, é utopia. Nunca estaremos em constante harmonia e equilíbrio, pois viver em sociedade é conter impulsos em troca de segurança (Sigmund Freud), mas também não podemos viver em constante desarmonia e desequilíbrio. O desequilíbrio prolongado causado por emoções, pensamentos e comportamentos inadequados, descontrola a produção dos hormônios que controlam as funções do nosso organismo tendo como conseqüência as doenças psicossomáticas, algumas já enumeradas acima. O desequilíbrio prolongado causado por emoções e pensamentos inadequados provoca comportamentos que nos destroem como os enumerados acima. Se não conseguimos estar em constante equilíbrio e não podemos viver em desequilíbrio o que podemos é estar em equilibração. Equilibração é a atitude constante de se reequilibrar cada vez que você perde o equilíbrio. A prática leva você a se reequilibrar cada vez mais rápido. Isto exige conhecimento de si, dos outros e do contexto em que se vive. Para manter essa atitude de sempre se reequilibrar precisamos de pessoas que nos ajudem a cuidar da nossa cabeça como os amigos, as pessoas que nos amam, os psicólogos e acima de tudo ter uma fé bem fundamentada.
Ver o Conteúdo
Música

Música

Era mais uma madrugada quente na cidade de Ribeirão Preto. Um casal de jovens namorados voltava de uma festa.             Estavam em um carro com o som em alto volume e haviam bebido. Em uma avenida o motorista perde o controle do carro e bate em um poste de iluminação.             A jovem fica presa às ferragens do carro sentindo muita dor. O namorado está ao seu lado sem vida e uma música toca no rádio do carro. Depois de muitos minutos chega o resgate e retira a jovem.             A jovem teve que fazer terapia, pois toda vez que, ao acaso, ouvia a mesma música que tocava quando estava presa no carro acidentado, sentia as mesmas dores e com a mesma intensidade.             Porque a música teve esse poder? Porque os professores de curso pré-vestibular utilizam da música para facilitar a memorização de conceitos e fórmulas?             O que seria de um filme sem a trilha musical? Porque a música está presente em todas as culturas existentes e que já existiram?             Porque você sabe cantar músicas com letras enormes e tem dificuldade de memorizar um número de telefone?             Porque a música transcende o mundo concreto, porque a música penetra dentro de nós em lugares que nem conhecemos.             Percebemos a música pela audição, mas ela emaranha-se em nossas emoções, em nossa alma, em nossa consciência, em nossa inconsciência e em nossa memória.             A memorização é muito mais eficaz quando acompanhada de uma emoção. Quanto mais forte a emoção, melhor guardado na memória e mais fácil a lembrança ou o resgate desta memória. Como a música sempre ativa a nossa emoção é mais fácil memorizar com uma música.             A música pode ser boa ou ruim dependendo do que ela estimula ou ativa em você.             A música ruim estimula em você os seus sentimentos mais primitivos, ou seja, os sentimentos concretos das necessidades fisiológicas, como exemplo: comida, bebida, sexo, violência.             A música ruim tem grande aceitação popular, por que nela é possível extravasar diversas emoções ligadas ao nosso estado primitivo: “vamu quebra tudo”, “bateu de frente é só tiro, porrada e bomba”, “ai se eu te pego”, “eu quero é furunfa”, “é bebedeira, é bebedeira, é só zoeira, é só zoeira” e por aí vai.             A música boa transcende a concretude da nossa vida, ativa em nós as emoções da alma: amor, amizade, carinho, dignidade, honra, persistência, esperança, elegância, beleza, fé e por aí vai.             A música boa é composta sempre por um artista, por que a música boa é arte, tem estética, tem poesia e transcende o tempo.       Desejo a você que a trilha sonora da sua vida seja feita exclusivamente de músicas boas.
Ver o Conteúdo